O transporte de pacientes deve ser indicado, planejado e executado visando
a minimizar possíveis riscos para o transportado. O transporte deve ser
seguro e eficiente, sem expor o paciente a riscos desnecessários, evitando
assim agravar seu estado clínico. O objetivo desta intervenção é melhorar o
prognóstico do paciente; portanto, o risco do transporte não deve
sobrepor-se ao possível benefício da intervenção.

Define-se transporte inter-hospitalar como a transferência de pacientes entre unidades não hospitalares ou hospitalares de atendimento às urgências e emergências, unidades de diagnóstico, terapêutica ou outras unidades de saúde que funcionem como bases de estabilização para pacientes graves ou como serviços de menor complexidade, de caráter público ou privado.